Dear Cupid, next time hit both.









terça-feira, 25 de janeiro de 2011

You don't always have to hold your head higher than your heart


Não sei se somos diferentes demais, não sei se é isso. É que eu passo o tempo a sonhar e às vezes só me apetecia abanar-te, segurar-te os ombros e abanar-te para que visses o que andas a perder por não sonhares como eu. Gostava que não fosses tão perfeito, que não tivesses tanto os pés no chão, que fosses de gestos maiores do que estes que fazes e que não chegam a denunciar-te, nem sequer a dizer se há alguma coisa para denunciar. A sensação que eu tenho é que tu atravessas sempre nas passadeiras e eu corro e tropeço por entre os carros, tu caminhas no arame com um equilíbrio perfeito e eu oscilo e caio e às vezes nem tenho rede por baixo. Apetecia-me não ser a única a reparar nas pequenas coisas como o teu cheiro ter ficado na minha pele, como a tua boca ter-se prolongado mais na minha só daquela vez, como ver o teu sorriso despontar quando os meus olhos perscrutaram os teus e não os deixaram fugir tão cedo como de costume. Apetecia-me ter-te, ter-te sempre que quisesse e muito mais do que te tenho, ter-te sempre tanto quanto tu me tens, e prender-te quando quisesses ir - apetecia-me que nunca quisesses ir. Eu nunca quero que vás. Mas tu tens sempre a tua vida perfeita, aquela onde não há espaço para mim, nem para que possas sonhar como eu, nem para coisas tão simples como contares os segundos para ouvir a minha voz. Eu nunca quero que vás, tu nunca podes ficar.

17 comentários:

  1. "(...)que fosses de gestos maiores do que estes que fazes e que não chegam a denunciar-te, nem sequer a dizer se há alguma coisa para denunciar (...) Eu nunca quero que vás, tu nunca podes ficar."


    temos de ir a luta para ter a certeza de que há (ou não) alguma coisa a denunciar. A dúvida magoa muito mais do que a certeza de um não.

    ResponderEliminar
  2. É difícil quando assim o é... Força :)

    ResponderEliminar
  3. oh! este texto está perfeito, querida!
    que aperto no coração me deu :'(

    ResponderEliminar
  4. "Eu nunca quero que vás, tu nunca podes ficar." que forte! Adorei o texto.. tão simples e tão.. sem palavras..

    ResponderEliminar
  5. Tu "andas" com o Pipoco, Sofia?

    Que aborrecimento, pah, que aborrecimento. Acho muito mais interessante o imprevisível, pensei que também achavas.

    Mudasti.

    ResponderEliminar
  6. Sabor adocicado: a certeza do não estraga-nos os sonhos... e eu gosto de sonhar...

    C: obrigada :)

    Vera: desculpa :(

    J: obrigada*

    Nokas: é... tem dias

    Girl in motion: oh, obrigada... :/

    m: muito obrigada... :)

    Manuel: quê? oh Manel, explica-te homem

    ResponderEliminar
  7. Ele é tão "agenda", até deve ter um plano semanal sublinhado, em cima da secretária, um telemóvel XPTO com alertas de tudo e mais alguma coisa, deve querer sair de casa quatro horas antes de um compromisso...andar sempre com guarda-chuva. Perfeitinho demais, no sentido negro da coisa.

    Não me parece o teu tipo pah! (Estou do contra.)

    ResponderEliminar
  8. O teu texto é perfeito apesar de triste. Gostei :)

    ResponderEliminar
  9. Manuel: naaa... a perfeição dele é outra... além dessa... são os defeitos também que... e depois eu que não sou... ai... opá!! não vês que sou eu que estou apanhada como o car*lho e que só lhe vejo qualidades? irra que é preciso explicar tudo. Também estou do contra, pronto

    Left: obrigada :)*

    ResponderEliminar
  10. Sofia, vê se te norteias... Estou a achar muito cruel e invulgar, digo-te desde já!

    Do contra sou eu.

    ResponderEliminar
  11. Manuel: invulgar com toda a certeza, cruel porquê?
    Não vás por aí... vais dar uma grande volta lol

    ResponderEliminar
  12. Ora, porque me parece doloroso para ti e parece-me que ele sabe e não faz nada para aliviar isso.

    Não vou, pronto.


    Contra a parede --» |

    ResponderEliminar
  13. Mais um post que me diz tanto!
    Tu consegues escrever aquilo que eu sinto!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  14. Manuel: ah... eu não sei se ele sabe... quero dizer, ele sabe, mas acho que não tem noção... nem sei se quero que ele tenha noção. Contra a parede estou eu prestes a bater com a cabeça. Com forçaaaa!!

    Cláudia: oh, obrigada... acho que lamento por tu tb o sentires! beijinho

    ResponderEliminar